https://www.facebook.com/msjoiasfolheadas/

Uma desembargadora, advogados, a Diocese do Crato e uma construtora estão envolvidos no processo. A PF cumpriu mandados contra suspeitos de pagar propina à magistrada para favorecer a construtora em suas decisões.

Além das lotéricas, segundo a Enel, existem mais 2.190 pontos, entre comércios, supermercados e farmácias para o pagamento de contas
Foto: Fernanda Siebra

A quinta fase da ‘Operação Expresso 150’, deflagrada pela Polícia Federal (PF), ontem, teve como alvo a suposta corrupção de uma desembargadora, em um processo de restituição de terra, na Região do Cariri. Os envolvidos estariam disputando terras deixadas por Padre Cícero. Residências, escritórios de advocacia e uma empresa foram revistados.

A reportagem apurou que mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos escritórios e nas casas dos advogados Paulo Napoleão Gonçalves Quezado e Paolo Giorgio Quezado Gurgel e Silva. A sede de uma construtora e a residência do dono também foram revistados, em Juazeiro do Norte. Os policiais federais apreenderam documentos e mídias, para investigação.

A PF cumpriu seis ordens judiciais, sendo quatro em Juazeiro do Norte e duas na Capital. A decisão para que a ofensiva acontecesse é do ministro Herman Benjamin, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Corrupção

O Ministério Público Federal (MPF) requereu, em novembro do ano passado, que a Polícia Federal realizasse novas diligências. A suspeita era de que a desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda teria recebido R$ 675 mil em propina, no processo referente à restituição de terras, movido pela Diocese do Crato.

O empresário Francisco Pereira da Silva, proprietário da ‘FP Construções e Empreendimento Imobiliários’, atual dona de parte dos terrenos em questão, teria pago os valores. As terras em jogo são heranças do Padre Cícero Romão Batista, deixadas para dois santos – Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e São Miguel.

Em 1998, o vigário da paróquia de Juazeiro do Norte decidiu vender parte da herança, um terreno de 750 mil m², no bairro São José, em Juazeiro. O empresário Francisco Pereira da Silva comprou o bem oferecido pelo pároco por R$ 85 mil. A área hoje está avaliada em R$ 30 milhões.

Ao tomar conhecimento da transação imobiliária, em 2010, a Diocese do Crato entrou com uma ação na Justiça para questionar a venda. A reportagem apurou que um delator revelou ao Ministério Público do Estado (MPCE), que a desembargadora Sérgia Maria Miranda teria recebido a propina para decidir sobre uma apelação do processo em favor da construtora.

Assassinato

Francisco Pereira da Silva foi assassinado a tiros, em Juazeiro do Norte, em julho deste ano. Dois homens alvejaram a vítima, que dirigia um veículo Land Rover Discovery. O automóvel de luxo caiu em um barranco e o empresário morreu imediatamente. A Polícia Civil não divulgou se o homicídio tem relação com a disputa das terras, na Região do Cariri.

A reportagem entrou em contato com Paolo Giorgio, mas as ligações não foram atendidas. O advogado Paulo Quezado confirmou que a PF esteve em seu escritório e fez uma cópia de um HD. Ele declarou também que não reconhece nenhuma irregularidade no transcorrer da ação.

Diário do Nordeste

Comentários de Facebook
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Junior Moral
Carregar mais em Policia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + dezoito =

Verifique também

Juazeiro do Norte-CE: Estacionamento do Aeroporto deve ter acesso livre, determina juiz

Foi deflagrada nesta terça-feira (16), uma decisão judicial pela 16ª Vara Federal, através…